Retalhos de paisagem sonora em Évora (1820-1910)

Resumo: No âmbito do Projeto PASEV Patrimonialization of Évora’s Soundscape (1540-1910) ALT20-03-0145-FEDER-028584 / LISBOA- 01-0145-FEDER-028584 desafiamos fontes e materialidade oitocentista eborense para caracterizar as novidades sonoras do espaço público aberto pela Revolução Liberal de 1820, em Portugal. Assim, nesta incursão pela janela da cidade de Évora, proponho-nos fazer o recorte local de sonoridades trazidas pela sociabilidade do Passeio Público – Jardim Público e, em contexto nacional de comemorações de Camões, momento seminal de 10 de Junho de 1880. Usando cruzamentos de fontes – á imprensa – local, regional, nacional – indagando arquivos públicos, com especial destaque para o Arquivo Fotográfico da Câmara de Évora, e visitando a toponímia, escutando as vozes do passado presente no inesgotável Boletim da Cidade de Évora. E a investigação conduziu-nos à não confirmação de uma das hipóteses fortes da investigação, o 10 de Junho. Em contrapartida o 1º de Dezembro assumiu-se como o tempo local celebrativo, englobante da população no território, gerando diversas configurações de paisagens sonoras em espaço público liberal, na cidade de Évora. O recurso ao conceito operatório de biopolítica permitiu-nos enquadrar, e analisar, a vertente empírica da investigação, evidenciando a necessidade de relançar o equilíbrio de forças entre o global e o local. Deste modo, a paisagem sonora foi o terreno fértil das movimentações desta investigação. Acesso ao capítulo aqui.

ANO

2021

AUTORES

Antónia Fialho Conde; Vanda de Sá; Rodrigo Teodoro de Paula

EDITORES

Open Edition Books