Lynch encontra Moser: cognição, cérebro e ambiente

Resumo: A proposta de Cognition and the Built Environment (MØYSTAD, 2017) é que a arquitetura é um modo básico de cognição humana. A produção, bem como a utilização do nosso ambiente, é um processo cognitivo em si mesmo. A construção de um ambiente humano está relacionada com o ambiente construído anterior e é por ele informada. Uma das observações de Christopher Alexander (1987) foi que “construir cidades” significa, de facto, mudar as cidades. Projeto a projeto. Esta perceção tem implicações para a forma como entendemos a arquitetura, para a forma como entendemos o cérebro humano e para a forma como interagem. Este artigo irá delinear (1) a interação entre algumas propriedades espaciais e morfológicas do ambiente construído, por um lado, e (2) algumas das propriedades recentemente descobertas do cérebro, por outro, que parecem refletir propriedades semelhantes do ambiente externo. Com base nestes dois conjuntos de propriedades, farei então (3) uma breve discussão de algumas teorias que parecem sugerir um esboço, não completo mas ainda assim útil, da relação cognitiva entre (1) e (2). Aceda ao artigo aqui.

ANO

2023

AUTORES

Ole Møystad

EDITORES

Estudos Semióticos - USP