É pra copa

No Brasil de 2022, o cenário pré-eleitoral nas ruas era dividido: toalhas vermelhas exibiam o rosto de Luís Inácio Lula da Silva lado a lado das toalhas verde-amarelas com a foto de Jair Bolsonaro. O clima era de tensão e identificávamo-nos pelas cores usadas. Passamos a repudiar o verde-amarelo, sinal de voto bolsonarista. Enfim, no final de outubro, elegemos nosso próximo presidente, o Lula. Em seu discurso de vitória, ele nos relembra: “Não existem dois Brasis. Somos um único país, um único povo, uma grande nação”. Eis que dali a duas semanas teve início a copa do mundo de futebol masculino no Qatar, e é importante ter em mente as palavras do presidente eleito, pois acontece que viralizou na internet uma fotografia da bandeira do Brasil com os dizeres “é pra copa”. É que queremos deixar explícito em quem não votamos. E é também que, como diz Luiz Simas, “apesar de tudo, ainda me mobilizo com Copas do Mundo, gosto de torcer pela seleção” (Simas, 2021, p. 75). Como não torcer pela entidade que é a seleção brasileira? Mas também, como superar a repulsa pelas cores da bandeira?

São as ruas que nos respondem e nos recordam o que é a magia do futebol no Brasil. No centro do Recife, o povo abocanhou o verde-amarelo e entrou de cabeça na festa que é a copa do mundo. Foi observando as pessoas nas ruas vestindo verde-amarelo que me senti confortável e feliz em torcer pela seleção brasileira e ter coragem e orgulho em usar as cores da nossa bandeira novamente. É nas ruas que aprendo, me sinto e me faço brasileira. Concordo novamente com Simas (2021) quando afirma que o futebol (e a música popular) inventou o país possível, o país que amamos e no qual acreditamos. A camisa verde-amarela é nossa. É pra copa, mas é também pela esperança da vitória, não só do hexa, mas de todas as inúmeras possibilidades de um único Brasil.

Texto e imagens: Marília Farias, LiArq – UFPE, o Laboratório interdisciplinar de Arquitetura: estudos e pesquisas em Psicanálise, Fenomenologia e Imaginários da Universidade Federal de Pernambuco.

Publicado a 09-12-2022

Referências:

Simas, L. A. (2021). O corpo encantado das ruas. Civilização Brasileira.

 

LOCALIZAÇÃO

LOCAL: PE

LATITUDE: -8.8137173

LONGITUDE: -36.954107