Efemeridade e manutenção de street art

Um dos debates associados à arte urbana, nomeadamente os graffiti, versa sobre a sua efemeridade. Outro é sobre as diferenças entre a street art legalizada, semi-legal e os tags, frequentemente associados à ilegalidade e à “danificação” do espaço público.

Nos últimos anos tem vindo a ser possível identificar a popularização crescente dos graffiti legais, sendo considerados obra de arte em espaço público. Nomes como Bansky, Vhils e Kobra ganharam o cenário mundial e suas peças passaram a ser um objeto-desejo.

Nesse contexto, alguns químicos desenvolveram novos métodos para limpar murais de graffiti que foram “vandalizados”, numa busca por conservação e manutenção das obras de arte. Em entrevista ao ArtNet News, o artista urbano Shepard Fairey revela que embora aceite a natureza desafiadora e competitiva da arte de rua e da cultura do graffiti, em sua opinião, sempre há mais lugares para se criar novas artes do que sobre o trabalho de outro artista.

Leia mais aqui.